Entrevistas:

Edgar Vivar - o Sr. Barriga!



Ele é conhecido por ter dado vida a dois personagens inesquecíveis do seriado Chaves. Hoje vamos conversar com Edgar Vivar, o Senhor Barriga e o Nhonho. Olá Edgar, como você está?

Estou muito bem...Obrigado!

Conte para todos nós como foi sua infância. Tem irmãos? Como eram seus pais?

Na verdade, não gosto muito de falar sobre minha vida pessoal, pois considero que meu trabalho é público ainda. O resto de minhas atividades podem não interessar as pessoas, pois trato de levá-las de uma forma absolutamente normal e sobre tudo mantendo a privacidade para não deixar que os meios – não todos, é claro - cheguem a contaminar o ambiente familiar. Posso te dizer que sou o mais velho de quatro irmãos e junto a meus pais construímos uma típica família grande, de classe média. Minha infância foi sempre na mesma casa, estudei na escola particular, tive bons amigos, poucos, mas muito chegados e posso dizer que mesmo vivendo numa posição menos privilegiada, nunca nos faltou o essencial para viver.

Sempre que perguntam ao elenco de Chaves sobre um dos atores falecidos, falam de Ramón Valdéz. Conte-nos um pouco sobre como eram Angelines Fernández, Raul “Chato” Padilla e Horácio Gómez.

Você tem razão, poucas vezes me perguntam sobre meus outros companheiros que nos deixaram. Eu guardo muitas boas lembranças de todos eles.

  • Angelines – Excelente atriz espanhola, radicada e naturalizada mexicana, havia sido primeira dama dos espetáculos em sua terra natal. Eu conversava com ela um pouco sobre suas experiências no teatro e sobre os autores que conhecia. Jacinto Benavente e Federico García Lorca estavam entre suas amizades...era uma pessoa que fumava intensamente, mas com uma presença de palco impressionante e com a capacidade de te fazer sentir honrado quando mostrava seu desempenho na frente das câmeras...eu sinto saudade dela freqüentemente, sobre tudo quando a vejo nos velhos filmes mexicanos.


  • De Raúl que posso te contar? Que era um companheiro excepcional. Filho de atores, pai de atores, avô de atores e com uma trajetória – sobre tudo no teatro – impressionante. Com ele, eu compartilhava o gosto pela boa comida. Com alguma freqüência ele e sua esposa vinham aqui em casa, quando tinham tempo, e eu cozinhava algo para eles. Realmente penso que aqueles aperitivos depois do jantar foram incomparáveis (Risos). Falava-me sobre como era o México quando era jovem e como era o ambiente artístico quando ele começou, suas aventuras e também suas conquistas amorosas...escutá-lo era um calmante para nós.


  • Com Horácio a relação foi boa sempre dentro de um certo respeito. Por ter sido representante do grupo do Chaves, sempre manteve certa distância – saudável, acho – de nós. Sua morte me pegou de surpresa, foi totalmente inesperada, súbita e tive trabalho para me conformar já que não foi como meus outros companheiros que no caso já se esperava as partidas. Dele guardarei sempre a lembrança de uma pessoa sistematicamente organizada, não me admira que depois se tornou produtor do “Programa Chespirito”.


  • Como Chespirito os avisou que o “Programa Chespirito” iria acabar? Teve algum tipo de despedida entre o elenco?

    Não houve nenhum tipo de despedida. Roberto me ligou dando a notícia de que o programa terminava depois de 25 anos e assim, nada de mais.

    Uma pergunta que o mundo inteiro faz: o episódio de Acapulco foi o último com Carlos Villagrán?

    Não estou seguro mas, SIM, foi um dos últimos.

    Como foi sua experiência quando conheceu Mario Vilela em 2003?

    Sumamente emotiva, inesquecível, diria. O senhor Vilela se emocionou tanto que eu pude sentir seu coração quando lhe dei um abraço. Lamentei profundamente quando soube de seu falecimento, mas fiquei muito feliz de o ter conhecido e mais ainda, agradecer-lhe por ter feito com que eu falasse português.

    Em uma entrevista, você declarou que não interpretaria mais o Srº Barriga. Porém, segundo informações, vem aí o longa-metragem animado do Chapolin Colorado. Se esse file fosse com atores de verdade, você aceitaria atuar interpretando algum de suas personagens integrantes da série?

    Não sei...Talvez, se tratasse de algo especial de mais de acordo com minha imagem atual.

    Há algum personagem da séries com o qual você se identifique mais (exceto Nhonho e Srº Barriga)?

    Claro que claramente que com o Botijão (Risos).

    Para terminar. Em nome de todos os fãs brasileiros, gostaria de te agradecer pela sua presença em nosso evento. Eu fiz parte da organização deste evento e tive o prazer e a emoção de estar com você no camarim. Gostaria que deixasse uma mensagem para todos os 5000 fãs que foram te assistir nesse dia inesquecível.

    Esse dia também será inesquecível para mim...o carinho, a paixão e a enorme capacidade de transmitir alegria do povo brasileiro é incomensurável. O Brasil não está mais no mapa... carrego ele no Coração!



    Voltar ao Menu Principal